Produção de Motocicletas cresce em Setembro

 Volume no acumulado de janeiro a setembro foi 19,2% superior ao mesmo período do ano passado; desempenho de vendas diárias também foi positivo com aumento de 17,8%  

De janeiro a setembro deste ano as fabricantes de motocicletas produziram 777.091 unidades, volume 19,2% superior ao mesmo período de 2017, quando saíram das linhas de produção 652.092 unidades, de acordo com dados divulgados pela Associação Brasileira dos Fabricantes de Motocicletas, Ciclomotores, Motonetas, Bicicletas e Similares – Abraciclo.

Na análise isolada de setembro também foi registrado aumento em comparação com o mesmo mês do ano passado. De acordo com números da entidade, em setembro foram produzidas 80.690 unidades, alta de 5,2% sobre o mesmo mês de 2017 (76.668 unidades). Na comparação com agosto (105.340 unidades), no entanto, houve uma redução de 23,4%, o que é atribuído, em parte, ao fato de setembro ter contado com 19 dias úteis de comercialização, ante 23 dias do mês anterior.

   “Enxergamos os resultados registrados até o momento com entusiasmo, porque isto significa que a nossa expectativa de crescimento no volume de produção será alcançada”, comenta Marcos Fermanian, presidente da Abraciclo. Em julho, a entidade havia revisado para cima a projeção de produção, passando de 935 mil para 980 mil unidades, o que significa um crescimento de 11% em 2018, na comparação com o ano passado.

Segundo Fermanian, fatores como a redução do índice de inadimplência, maior oferta de crédito pelas instituições financeiras, expansão de negócios de consórcio e o crescimento da confiança do consumidor alimentam o aumento da demanda e isso reflete no volume de produção das fabricantes de motocicletas.

Na análise de vendas do atacado – das fabricantes para concessionárias – foi verificado um crescimento de 20,9% em setembro (76.669 unidades), em comparação com o mesmo mês de 2017 (63.428 unidades), e uma queda de 19,3% sobre agosto, cujo volume foi de 94.987 motocicletas. No acumulado dos nove meses foram vendidas 711.747 motocicletas para as lojas, o que significa um avanço de 18% sobre o mesmo período do ano passado, que havia totalizado 603.350 unidades.

Entre as categorias com mais motocicletas comercializadas em setembro os destaques foram a Street, que aparece no topo do ranking com 56,3% de participação (43.166 unidades); a Trail, com 18,7% (14.367); e a Motoneta, com 11,3% (8.679). Na sequência, vieram Scooter, com 7,3% (5.598), e Naked, com 2,6% (1.983 unidades).

Confira a seguir as características básicas das motocicletas de cada categoria:

Street – Motocicleta de baixa ou média cilindrada destinada ao uso urbano.

Trail – Motocicleta de baixa ou média cilindrada destinada ao uso misto, tanto em vias pavimentadas quanto em terreno não pavimentado.

Motoneta – motociclo underbone, pilotado com o condutor na posição sentado, destinado ao uso urbano, de baixa cilindrada e dotado de câmbio automático ou semiautomático.

Scooter - Motociclo pilotado com o condutor na posição sentado e dotado de câmbio automático ou semiautomático, concebido para privilegiar o conforto.

Naked – Motocicleta sem carenagem, com motor propositalmente exposto e de alto desempenho, concebida para a utilização em terrenos pavimentados. Semelhante a uma motocicleta versão “sport”, sem a carenagem.

Big Trail – Motocicleta de média ou alta cilindrada destinada ao uso misto em terrenos pavimentados e não pavimentados.

Off Road – Motocicleta de qualquer cilindrada destinada exclusivamente à utilização em pisos não pavimentados.

Custom – Motocicleta caracterizada por sua vocação para percursos de estrada, destacadamente os mais longos, chamadas de “estradeiras”, que não priorizam velocidade e, sim, conforto.

Sport - Motocicletas de cilindradas médias ou superiores com carenagem que privilegia a aerodinâmica e o alto desempenho.

Ciclomotor – Veículo de duas ou três rodas, provido de um motor de combustão interna, cuja cilindrada não exceda a 50 cm³.

Touring – Motocicletas usualmente de alta cilindrada concebidas para a utilização em turismo e viagens de grandes distâncias. 

Emplacamentos

Com base nos dados do Registro Nacional de Veículos Automotores (Renavam), as vendas de motocicletas no varejo totalizaram 74.067 unidades em setembro, representando uma alta de 11,9% sobre o mesmo mês de 2017 (66.209 unidades). Na comparação com agosto (88.906 unidades), houve queda de 16,7%.

No acumulado de janeiro a setembro as vendas no varejo cresceram 8,7%, totalizando 695.928 unidades, ante 640.063 unidades no mesmo período do ano passado.

A média diária de vendas em setembro ficou em 3.898 unidades, comercializadas em 19 dias úteis e correspondendo a uma elevação de 17,8% sobre o mesmo mês do ano passado (3.310 unidades), que teve 20 dias úteis. Na comparação com agosto (3.865 unidades), houve uma queda de 0,8%.

Exportações

Em setembro foram enviadas para outros países 3.336 motocicletas fabricadas no PIM, significando queda de 70,2% sobre o mesmo mês de 2017 (11.208 unidades). Já na comparação com agosto (7.537 unidades) a redução foi de 55,7%.

A queda acentuada no volume de exportações deve-se ao fato de a Argentina ser o principal destino das motocicletas brasileiras, chegando a 72,4% de participação em relação ao total exportado em setembro, e aquele país convive com sérias dificuldades econômicas, que afetam diretamente o consumo de veículos automotores.

As exportações no acumulado de janeiro a setembro totalizaram 57.132 motocicletas, o que representou uma queda de 3,6% sobre as 59.244 unidades exportadas no mesmo período do ano passado.

Colaboração e foto: Abraciclo/Arquivo CF