A 7ª etapa do Brasileiro de Motocross 2018, realizada no dia 21 de outubro em Caldas Novas, Goiás, teve domínio total da Yamaha Monster Energy Geração, equipe vencedora das quatro principais categorias da competição - MX1, MX2, MX2-Junior e Elite MX.

Carlos Campano, correndo com sua Yamaha YZ450F, ganhou as duas baterias da MX1 e ampliou sua vantagem na liderança do campeonato para 21 pontos. O tetracampeão brasileiro também faturou a corrida única da Elite MX e assumiu a vice-liderança da classe, apenas 5 pontos atrás de Jetro Salazar.

 "Uma pista difícil de ultrapassar, mas me senti confortável desde sábado. Na primeira bateria larguei em 3º e depois consegui abrir uma boa vantagem e administrar, ainda mais que o Jetro se enroscou com o Hector. Na segunda bateria, também larguei por volta do 3º lugar, estava em segundo, mas acabei caindo, perdi posição, mas mesmo assim consegui recuperar e chegar no Jetro, ultrapassá-lo e abrir um pouco. Foi ótimo, aumentei a vantagem para chegar um pouco mais tranquilo na última etapa, e ainda dei uma encostada na Elite, que vamos brigar também", analisou Carlos Campano. 

Para que o piloto da Yamaha seja campeão na MX1, basta que conclua a etapa com duplo sexto lugar nas baterias, somando mais 30 pontos para chegar a 324 pontos, o que seria inatingível por qualquer adversário.

Fabio Santos que disputa a MX2 com uma Yamaha YZ250F, venceu a rodada em Goiás conquistando um segundo lugar e uma vitória nas baterias, mantendo assim a vice-liderança do campeonato a 3 pontos de Pepê Bueno, também competindo de Yamaha YZ250F. Se vencer uma bateria e terminar a outra na frente do adversário, Fabio Santos será campeão.

 Na categoria Elite, Fabinho foi o melhor entre os pilotos de 250cc, na qual também correm atletas com motos de 450cc, com a 8ª colocação.

Esperançoso de um bom resultado na etapa final, o piloto da Yamaha declarou: "Caí na largada da primeira bateria e isso prejudicou meus planos de já recuperar os 3 pontos nesta corrida. Com o tombo, fiquei a 40 segundos do primeiro colocado, mas mesmo assim consegui chegar nele, o que me deixou satisfeito pela velocidade que demonstrei. No fim, quando tentava ultrapassar, os retardatários me atrapalharam um pouco. Na segunda bateria, consegui passar o Pepê e vencer a etapa, mantendo os três pontos. Agora, tudo vai se definir na final".

allys Nathan completa a lista de vencedores da Yamaha Monster Energy Geração com seu quinto triunfo consecutivo na categoria MX2-Junior. Nathan já é campeão da classe em 2018, e mesmo assim segue acelerando forte frente a seus oponentes.

Jean Ramos (categoria MX1) ficou fora desta etapa para se recuperar de uma lesão no ombro. Ele disputa a quarta etapa do Arena Cross Brasil no próximo sábado, 28, em Lençóis Paulista, São Paulo.

A última etapa do campeonato será em Fagundes Varela, Rio Grande do Sul, nos dias 3 e 4 de novembro.

 RESULTADOS DA 7ª ETAPA

MX1
1. Carlos Campano (Yamaha YZ 450F)
2. Jetro Salazar  
3. Hector Assunção
4. Paulo Alberto (Yamaha YZ 450F)
5. Humberto Martin

MX2
1. Fabio Santos (Yamaha YZ 250F)
2. Pepê Bueno (Yamaha YZ 250F)
3. Leo Souza
4. Lucas Frazão
5. Tallys Nathan

MX2-Junior
1. Tallys Nathan (Yamaha YZ 250F)
2. Joaquim Neto (Yamaha YZ 250F)
3. João Xavier (Yamaha YZ 250F)
4. Pedro Magero
5. Augustinho Algarve

Elite MX
1. Carlos Campano (Yamaha YZ 450F)
2. Jetro Salazar
3. Paulo Alberto (Yamaha YZ 450F)
4. Hector Assunção
5. Humberto Martin
 
Classificação do campeonato após 7 etapas

MX1
1. Carlos Campano / 294 pontos (Yamaha YZ 450F)
2. Jetro Salazar / 273 pontos
3. Paulo Alberto / 262 pontos (Yamaha YZ 450F)
4. Hector Assunção / 220 pontos
5. Jean Ramos / 180 pontos (Yamaha YZ 450F)

MX2
1. Pepê Bueno / 269 pontos (Yamaha YZ 250F)
2. Fabio Santos / 266 pontos (Yamaha YZ 250F)
3. Lucas Dunka / 231 pontos  
4. João Ribeiro / 197 pontos (Yamaha YZ 250F)
5. Leo Souza / 155 pontos

MX2-Junior
1. Tallys Nathan / 170 pontos (Yamaha YZ 250F)
2. João Xavier / 110 pontos (Yamaha YZ 250F)
3. Vanderlei Junior / 93 pontos
4. Bruno Schmitz / 91 pontos
5. Augustinho Algarve / 84 pontos

Elite MX
1. Jetro Salazar / 135 pontos
2. Carlos Campano / 130 pontos (Yamaha YZ 450F)
3. Paulo Alberto / 128 pontos (Yamaha YZ 450F)
4. Hector Assunção / 86 pontos
5. Humberto Martin / 83 pontos

Colaboração e foto: Yamaha do Brasil/DANYLLO PROTTO

Foi publicado agora pouco pelo canal Motoline o vídeo da nova CRF 250F.

Pelas imagens do vídeo, podemos ver que o novo modelo tem chassis tubular, freios a discos nas duas rodas, suspensão dianteira convencional, injeção e emprega motor da CB 250F Twister.

Agora é aguardar o valor sugerido da maquina para poder acelerar pelas trilhas do Brasil.

Veja o clip completo no link abaixo: https://www.youtube.com/watch?v=LAv4hOcR-5c

 

A organização do Brasileiro de Enduro FIM acaba de anunciar o pré-calendário para a temporada 2019. O campeonato prevê sete etapas em seis Estados. A abertura será nos dias 16 a 17 de março, novamente em Itupeva (SP), sendo que a grande final está marcada para 5 e 6 de outubro na tradicional prova de Patrocínio (MG).

"A cada ano, a qualidade das etapas é superada. Atualmente todas as provas que compõem o Campeonato Brasileiro são referências na modalidade e em seus Estados”, explicou Maurício Brandão, organizador do evento e diretor de Enduro FIM na Confederação Brasileira de Motociclismo desde 2011. “As provas respeitam as características geográficas e topográficas de suas regiões, desta forma cada desafio é único e tem suas particularidades”, continuou.

Na opinião do dirigente, o sucesso da temporada 2018 reforça as boas expectativas para o próximo ano. “Estamos sempre evoluindo e 2018 foi uma temporada muito boa, excelente mesmo. Com certeza no futuro virão novidades e evoluções, junto com responsabilidades e compromissos. Pilotos, equipes e os fãs estão ávidos por novidades.”

O Brasileiro de Enduro FIM 2018 terminou no dia 30 de setembro, em Patos de Minas (MG), após sete etapas com pontuação dupla. Em seguida, foi realizada uma reunião de metas e planejamento para 2019. Além de Brandão, participaram representantes das equipes, organizadores, pilotos e entusiastas do esporte.

“Foram debatidos os acertos e os erros durante o ano, com o objetivo de buscar cada vez mais o crescimento e a evolução do esporte. Ajustes no regulamento foram analisados e serão implementados, bem como sugestões de melhorias em todos os aspectos”, concluiu Brandão.

O Campeonato Brasileiro de Enduro FIM 2018 foi patrocinado por Rinaldi, Yamaha, ASW, Tech Ride, Edgers, MR Pro Braces, Jeri Aventure Ride, KTM Sacramento, O2BH Yamaha, Motorex e Sig Visual.

Pré-calendário* 2019 do Brasileiro de Enduro FIM:

1ª etapa - Dias 16 e 17 de Março - Itupeva (SP)
2ª etapa - Dias 6 e 7 de Abril - Nova Bréscia (RS)
3ª etapa - Dias 25 e 26 de Maio - Itapema (SC)
4ª etapa - Dias 8 e 9 de Junho - Aracruz (ES)
5ª etapa - Dias 29 e 30 de Junho - Marzagão (GO)
6ª etapa - Dias 27 e 28 de Julho - Paraopeba (MG)
7ª etapa - Dias 5 e 6 de Outubro - Patrocínio (MG).

* O pré-calendário 2019 está sujeito a alterações.

Colaboração e foto: Mundo Press/Arquivo CF

A pacata cidade de Rio Acima na região metropolitana da Capital Mineira saiu na frente no que se diz a respeito das atividades esportivas praticadas na região. Conhecida como um dos melhores lugares do estado para prática dos esportes de aventura, a Câmara Municipal de Rio Acima aprovou a Lei 40/2018 que dispõe sobre o reconhecimento de Esporte de Aventura e Radical, como atividades de valor cultural, esportivo e turístico para a região.

"Mesmo sendo um marco regulatório local, ele é de grande importância, pois poderá auxiliar como exemplo a ser seguido por outros municípios no Brasil afora" , comentou Gustavo Jacob, presidente da Federação de Motociclismo do Estado de Minas Gerais presente no evento.

Para o representante da Confederação Brasileira de Motociclismo, Christiano Tirado, foi dado um passo importantíssimo para o setor esportivo rumo a vitória do esporte das duas rodas no Brasil e exemplo a ser seguido, concluiu Tirado.

Por Leo Tavares direto da redação.

A Copa Sul-Mineira de Enduro de Regularidade terá sua penúltima etapa realizada neste domingo, dia 21 de outubro, na cidade de São Thomé das Letras, localizada nas montanhas da Serra da Mantiqueira. O evento é patrocinado pela marca gaúcha de pneus Rinaldi.

Dezenas de pilotos são aguardados para a disputa das categorias: Master, Sênior, Over 40, Over 45, Over 50, Júnior, Brasil e Novatos. Segundo o organizador, Saulo Silva, o percurso varia entre 86 e 97 quilômetros, contando com trilhas travadas, médias justas e algumas surpresas.

A programação inicia às 9h30, com a largada em frente a Praça Barão de Alfenas, no centro do município. A chegada está programada para as 14h, no mesmo local. O público tem acesso liberado, podendo conferir de perto as motocicletas e torcer por seus ídolos. Prestigie!

Serviço: Copa Sul-Mineira de Enduro de Regularidade

Data: Domingo, dia 21
Cidade: São Thomé das Letras (MG)
Largada: 9h30 - Praça Barão de Alfenas
Chegada: 14h - Praça Barão de Alfenas
Entrada: Franca

A Copa Sul-Mineira de Enduro de Regularidade tem o patrocínio da Rinaldi.

Colaboração e foto: ID – Assessoria de Comunicação Estratégica/Arquivo CF

A ASW Racing ampliou seus caminhos (literalmente). A qualidade consolidada e reconhecida há mais de 30 anos agora chega às modalidades Big Trail. Por mais de 2 anos, o setor de desenvolvimento de produtos da ASW estudou precisamente o setor para chegar em um resultado de qualidade, moderno e único.

Com ótimo custo-benefício e equipamentos dignos de uma linha premium, a ASW apresenta uma coleção perfeitamente adequada aos adeptos do estilo no Brasil, focando em seu clima e em seus diversos ambientes, sejam eles na terra ou no asfalto.

“Esse novo segmento é muito promissor dentro da ASW visto já a receptividade fantástica que o mercado vem nos apresentando. Nos identificamos bastante com esse público alvo e estamos muito felizes com as soluções de produtos que desenvolvemos e agora lançamos ao mercado. Mas não paramos por aqui, ainda temos muito a fazer para esse consumidor que agora pode usufruir de um produto ASW também em suas viagens em cima da moto, seja no asfalto ou na terra”, diz Leandro Mattos – Diretor Geral.

No topo da linha de jaquetas, a Pangea é a opção ideal para os diversos climas do Brasil. O forro térmico é removível, assim como o forro impermeável com tecido 600D Hydro Protec, o que permite conforto em dias abafados, principalmente considerando as diversas aberturas de ventilação estrategicamente posicionadas na jaqueta. A proteção também é garantida, com pads Impact Shield certificados nos ombros, nos cotovelos e nas costas. Zíperes selados, bolso de acesso rápido, refletivos, gola ajustável, áreas de alta flexibilidade e tecido ripstop resistente são outras vantagens deste modelo.

A Jaqueta Tsunami é impermeável, com tecido 600D Hydro Protec, e mantém grande parte dos atributos do modelo Pangea, como o forro térmico removível, a quantidade de aberturas de ar, pads Impact Shield, bolso de acesso rápido, refletivos, gola ajustável, áreas de alta flexibilidade e tecido ripstop resistente.

Conforto, resistência, ventilação e proteção são garantia nas Calças Tsunami. O modelo oferece perfeita mobilidade, com áreas de máxima flexibilidade, e é totalmente impermeável, combinando seu tecido 600D Hydro Protec com seus zíperes selados.

É essencial que as calças para a modalidade street ofereçam proteção. Por isso, a Tsunami contém pads Impact Shield certificados, posicionados nos joelhos e na cintura e cobertos por tecido ripstop resistente. Outras vantagens deste modelo são os refletivos, que oferecem visibilidade, e o suspensório removível, que fica como opção para um melhor encaixe.

Para fechar a seção de roupas, as luvas Adventure combinam perfeitamente com os produtos acima. Áreas de ampla elasticidade e proteção Impact Shield, com enxertos de espuma cobertos por couro de cabra garantem conforto e máxima proteção, por cima do forro térmico. Tudo isso com um ajuste de punho para melhor customização.

O capacete Dual é um modelo street, de casco em ABS, com sistema de ventilação ajustável e forros/pads removíveis, ventilados, lávados e substituíveis. Contém dupla camada de EPS, queixeira em EPS, pala removível e cinta jugular com engate rápido. Aprovado pelo Inmetro, o capacete Dual é reconhecido pelo seu excelente ângulo de visão.

Com distribuição seletiva, os produtos ASW Big Trail já chegaram às melhores lojas para atender todos os públicos do mercado.

Para mais informações, acesse: www.aswracing.com.br
Siga no Instagram: @aswadventure
Curta no Facebook: ASW Racing

Colaboração e foto: ASW Racing

 

 

Piloto do Team Rinaldi comemorou o título antecipado ao vencer a quinta e penúltima etapa, realizada neste fim de semana, em Cuiabá (MT). Rigor Rico é bicampeão Brasileiro de Hard Enduro. O piloto do Team Rinaldi conquistou o título antecipado na categoria Gold ao vencer a quinta e penúltima etapa da temporada, realizada neste fim de semana, dias 13 e 14 de outubro, na cidade de Cuiabá (MT).

O desafio, que também é patrocinado pela Rinaldi Pneus, teve início no sábado, com o prólogo em uma pista especialmente preparada para definir a ordem de largada. Já no domingo, os atletas percorreram aproximadamente 54 quilômetros de trilhas na região do Coxipó do Ouro, enfrentando diversos tipos de terrenos.

Rigor ganhou a disputa em ambos os dias, resultado suficiente para erguer a taça. “Feliz demais com o bicampeonato! Me dediquei bastante, consegui manter um bom ritmo de treinos e nas provas não foi diferente. Minha minha moto Beta foi bem em todas as etapas, assim como os pneus Rinaldi SR 39 e SR Hard”, afirma.

Seu irmão, Ripi Galileu, finalizou o evento com a segunda posição na mesma classe. Com o desempenho, manteve-se vivo na briga pelo vice. Agora ele se prepara para a grande final, programada para acontecer nos dias 24 e 25 de novembro, em Poços de Caldas (MG).

O Campeonato Brasileiro de Hard Enduro tem o patrocínio da Rinaldi Pneus.

Colaboração e foto: ID – Assessoria de Comunicação Estratégica/Vicenzo Barbagalo

Terminou neste domingo (14) na Alemanha, a temporada 2018 do Campeonato Mundial de Enduro. Único brasileiro na competição, o piloto Bruno Crivilin, da Orange BH KTM América Racing finalizou a disputa ente 10 melhores. Ele obteve a oitava colocação na sua categoria, a Enduro Júnior 1 (EJ1), para pilotos até 23 anos e motos de 100 a 250 dois tempos e 175 a 250cc quatro tempos. Crivilin encerrou o primeiro dia na oitava colocação e no domingo, teve que abandonar com dores no pulso, fruto de uma lesão na mão direita.
 
Foi a primeira temporada do capixaba no mundial. O piloto esteve muito perto do pódio em algumas ocasiões e chegou a figurar entre os cinco primeiros colocados na classificação. Mas, as viagens – com grandes distâncias percorridas e diferenças de fuso horário, além de algumas contusões, atrapalharam os planos do tetracampeão brasileiro.
 
Apesar de almejar resultados ainda melhores, no maior campeonato do mundo de Enduro, o saldo é extremamente positivo pelo fato de ser a sua primeira na temporada completa. Ainda serviu como aprendizado e experiência para o ano que vem, já que a equipe tentará viabilizar sua temporada inteira no exterior em 2019.
 
Para realizar a temporada no Mundial, o jovem piloto teve que enfrentar - além das disputas nas pistas - muitas horas de viagens e grandes distâncias percorridas. Foram mais de 66 mil quilômetros percorridos para disputar as provas, o suficiente para dar mais de uma volta e meia na terra, ou percorrer 16 vezes de uma ponta a outra do Brasil, do Oiapoque ao Chuí. Isso sem contar as viagens pelo Brasil, para disputar, e vencer, o Campeonato Brasileiro.
 
“Foi meu primeiro ano no Mundial, um campeonato de altos e baixos, onde acabei abandonando duas provas por contusão, mas acredito ganhei experiência, consegui bons resultados e mostrei que os brasileiros tem condições de brigar pelo Campeonato. Por poucos segundos estive muito perto do pódio e finalizar a temporada de estreia com um oitavo lugar é para ser comemorado”, disse Crivilin.
 
Apesar dos problemas enfrentados, o brasileiro encerrou a temporada de cabeça erguida e muito grato a seus patrocinadores e a equipe. “Espero voltar no ano que vem mais forte e colocar o Brasil no lugar que ele merece aqui no Mundial. Agradeço muito a toda minha a Orange BH KTM América Racing, em especial ao Guto Constantino e Felipe Nacif, sem dúvida nenhuma faço parte da melhor equipe de Enduro que o Brasil já teve, é a que mais investe e luta pelo engrandecimento do nosso esporte. Agradeço também a todos os nossos patrocinadores, minha família e aqueles que torcem por nós”, comemorou o piloto.
 
Com os Campeonatos Mundial e Brasileiro finalizados, ainda não é chegada a hora do descanso. Crivilin retorna ao Brasil nesta terça (16) para iniciar os preparativos para mais um grande desafio: representar o Brasil no Six Days de Enduro, que acontece no Chile, entre os dias 12 e 17 de novembro. Em sua estreia na competição no ano passado, na França, Crivilin conquistou a medalha de ouro na principal prova do mundo, considerada as Olimpíadas do Enduro.

Colaboração e foto: Orange BH

Bárbara Neves levou o Team Rinaldi ao pódio na terceira etapa do Campeonato Goiano de Motocross, que está sendo realizada neste fim de semana, dias 13 e 14 de outubro, na cidade de Edéia, localizada a 200km da capital. Utilizando os pneus SR 39 e HE 40, a atleta foi a terceira colocada na disputa da categoria MXF.

O traçado de 1.200 metros de extensão foi especialmente reconstruído para o evento, sendo composto por subidas e descidas íngremes, curvas negativas, platôs, quatro saltos menores (lançadores) e um duplo. E o calor em torno dos 35 graus foi um obstáculo a mais.

Após largar na quarta colocação, Bárbara imprimiu um ritmo forte, conquistando a ultrapassagem de duas adversárias, porém, perdeu uma posição na penúltima volta. Vale destacar que ela correu com uma CRF 230F, enquanto as concorrentes utilizaram motos de 250 cilindradas.

“A pista era de média alta, com terreno seco e muito calor, não foi fácil. Fiquei feliz com a minha tocada, foi um bom resultado e um bom treino, já que o motocross não é meu foco principal”, afirma a atual detentora do título latino-americano de enduro e vice-campeã brasileira.

O estadual volta a reunir seus pilotos já no próximo fim de semana, dias 20 e 21, em Caldas Novas, junto a penúltima etapa do Brasileiro da modalidade. Bárbara é presença confirmada no gate e espera garantir mais um lugar ao pódio acelerando com os pneus Rinaldi.

Colaboração e foto: ID – Assessoria de Comunicação Estratégica

 Volume no acumulado de janeiro a setembro foi 19,2% superior ao mesmo período do ano passado; desempenho de vendas diárias também foi positivo com aumento de 17,8%  

De janeiro a setembro deste ano as fabricantes de motocicletas produziram 777.091 unidades, volume 19,2% superior ao mesmo período de 2017, quando saíram das linhas de produção 652.092 unidades, de acordo com dados divulgados pela Associação Brasileira dos Fabricantes de Motocicletas, Ciclomotores, Motonetas, Bicicletas e Similares – Abraciclo.

Na análise isolada de setembro também foi registrado aumento em comparação com o mesmo mês do ano passado. De acordo com números da entidade, em setembro foram produzidas 80.690 unidades, alta de 5,2% sobre o mesmo mês de 2017 (76.668 unidades). Na comparação com agosto (105.340 unidades), no entanto, houve uma redução de 23,4%, o que é atribuído, em parte, ao fato de setembro ter contado com 19 dias úteis de comercialização, ante 23 dias do mês anterior.

   “Enxergamos os resultados registrados até o momento com entusiasmo, porque isto significa que a nossa expectativa de crescimento no volume de produção será alcançada”, comenta Marcos Fermanian, presidente da Abraciclo. Em julho, a entidade havia revisado para cima a projeção de produção, passando de 935 mil para 980 mil unidades, o que significa um crescimento de 11% em 2018, na comparação com o ano passado.

Segundo Fermanian, fatores como a redução do índice de inadimplência, maior oferta de crédito pelas instituições financeiras, expansão de negócios de consórcio e o crescimento da confiança do consumidor alimentam o aumento da demanda e isso reflete no volume de produção das fabricantes de motocicletas.

Na análise de vendas do atacado – das fabricantes para concessionárias – foi verificado um crescimento de 20,9% em setembro (76.669 unidades), em comparação com o mesmo mês de 2017 (63.428 unidades), e uma queda de 19,3% sobre agosto, cujo volume foi de 94.987 motocicletas. No acumulado dos nove meses foram vendidas 711.747 motocicletas para as lojas, o que significa um avanço de 18% sobre o mesmo período do ano passado, que havia totalizado 603.350 unidades.

Entre as categorias com mais motocicletas comercializadas em setembro os destaques foram a Street, que aparece no topo do ranking com 56,3% de participação (43.166 unidades); a Trail, com 18,7% (14.367); e a Motoneta, com 11,3% (8.679). Na sequência, vieram Scooter, com 7,3% (5.598), e Naked, com 2,6% (1.983 unidades).

Confira a seguir as características básicas das motocicletas de cada categoria:

Street – Motocicleta de baixa ou média cilindrada destinada ao uso urbano.

Trail – Motocicleta de baixa ou média cilindrada destinada ao uso misto, tanto em vias pavimentadas quanto em terreno não pavimentado.

Motoneta – motociclo underbone, pilotado com o condutor na posição sentado, destinado ao uso urbano, de baixa cilindrada e dotado de câmbio automático ou semiautomático.

Scooter - Motociclo pilotado com o condutor na posição sentado e dotado de câmbio automático ou semiautomático, concebido para privilegiar o conforto.

Naked – Motocicleta sem carenagem, com motor propositalmente exposto e de alto desempenho, concebida para a utilização em terrenos pavimentados. Semelhante a uma motocicleta versão “sport”, sem a carenagem.

Big Trail – Motocicleta de média ou alta cilindrada destinada ao uso misto em terrenos pavimentados e não pavimentados.

Off Road – Motocicleta de qualquer cilindrada destinada exclusivamente à utilização em pisos não pavimentados.

Custom – Motocicleta caracterizada por sua vocação para percursos de estrada, destacadamente os mais longos, chamadas de “estradeiras”, que não priorizam velocidade e, sim, conforto.

Sport - Motocicletas de cilindradas médias ou superiores com carenagem que privilegia a aerodinâmica e o alto desempenho.

Ciclomotor – Veículo de duas ou três rodas, provido de um motor de combustão interna, cuja cilindrada não exceda a 50 cm³.

Touring – Motocicletas usualmente de alta cilindrada concebidas para a utilização em turismo e viagens de grandes distâncias. 

Emplacamentos

Com base nos dados do Registro Nacional de Veículos Automotores (Renavam), as vendas de motocicletas no varejo totalizaram 74.067 unidades em setembro, representando uma alta de 11,9% sobre o mesmo mês de 2017 (66.209 unidades). Na comparação com agosto (88.906 unidades), houve queda de 16,7%.

No acumulado de janeiro a setembro as vendas no varejo cresceram 8,7%, totalizando 695.928 unidades, ante 640.063 unidades no mesmo período do ano passado.

A média diária de vendas em setembro ficou em 3.898 unidades, comercializadas em 19 dias úteis e correspondendo a uma elevação de 17,8% sobre o mesmo mês do ano passado (3.310 unidades), que teve 20 dias úteis. Na comparação com agosto (3.865 unidades), houve uma queda de 0,8%.

Exportações

Em setembro foram enviadas para outros países 3.336 motocicletas fabricadas no PIM, significando queda de 70,2% sobre o mesmo mês de 2017 (11.208 unidades). Já na comparação com agosto (7.537 unidades) a redução foi de 55,7%.

A queda acentuada no volume de exportações deve-se ao fato de a Argentina ser o principal destino das motocicletas brasileiras, chegando a 72,4% de participação em relação ao total exportado em setembro, e aquele país convive com sérias dificuldades econômicas, que afetam diretamente o consumo de veículos automotores.

As exportações no acumulado de janeiro a setembro totalizaram 57.132 motocicletas, o que representou uma queda de 3,6% sobre as 59.244 unidades exportadas no mesmo período do ano passado.

Colaboração e foto: Abraciclo/Arquivo CF